A História já foi discutida através de várias vertentes:

A História dos grandes feitos, heróis e nações; a História econômica; a História “de baixo para cima”; a História social.

Livro História na Cozinha

Livro História da Cultura na Cozinha

Sem ter pretensão de substituir ou subestimar a Historiografia até então utilizada no mundo, a História da Gastronomia torna-se mais um caminho para a compreensão da trajetória do homem pelo emaranhado tempo.

Esse blog tenta ajudar a você a descobrir os caminhos que a História da Cozinha vem percorrendo por longos anos.

Livro História na Cozinha

Migramos o Blog História na Cozinha em Wordpress.com para nosso próprio domínio, sejam bem vindos!

Origem do curau de milho

by: alunos do 7º ano Amarelo

Assim como o povo brasileiro, que teve a sua formação a partir de várias matrizes culturais, a nossa culinária tem passado pelo mesmo processo. Os alunos do 7º ano Amarelo da E.E.”Dr. Luiz Pinto de Almeida” preparam este delicioso curau de milho.
O curau de milho é originado do pudim europeu e de uma bebida espessa utilizada pelos índios tupis, já que o termo vem do tupi minga’u,  uma bebida espessa utilizada também em rituais.

 Visite o site “O gastrônomo” e confira os eventos: “festival de pizzas”, “massas”, “risotos”, “oriental” e “mexicano”.
“O gastrônomo” também oferece cursos de “pizzas”, “massas” e “risotos”. Além disso, “O gastrônomo” personalité; com o petit comité, que consiste em eventos para pequenos grupos, como “almoços” e “jantares” sociais ou de negócios, confira tudo isso com o Chef Moisés Costa.  Apoio: foodbrasil.net

História do cuscuz de tomate

by: alunos do 7º ano Amarelo

Este pode ser considerado um prato que cruzou os mares. Originário de Maghreb, região norte do Continente Africano, o cuscuz tornou-se um prato típico em algumas regiões do Brasil, adquirindo certas especificidades, como no costume do sudeste do Brasil sendo incrementado com vários ingredientes, ou apenas ir acompanhado de leite, ovo, manteiga ou carne-seca, como é a preferência no nordeste do Brasil.
Originalmente, consiste num preparado de sêmola de cereais, principalmente o trigo, mas também pode ser à base de farinha ou polvilho de milho ou mandioca. Salgada e levemente umedecida, a massa é posta a marinar para incorporar o tempero. A partir daí, tem a sua cocção pela infusão no vapor.
Veja que saboroso o cuscuz de tomate elaborado pelos alunos do 7º ano Amarelo da E.E.”Dr. Luiz Pinto de Almeida”!

 Visite o site “O gastrônomo” e confira os eventos: “festival de pizzas”, “massas”, “risotos”, “oriental” e “mexicano”.
“O gastrônomo” também oferece cursos de “pizzas”, “massas” e “risotos”. Além disso, “O gastrônomo” personalité; com o petit comité, que consiste em eventos para pequenos grupos, como “almoços” e “jantares” sociais ou de negócios, confira tudo isso com o Chef Moisés Costa.  Apoio: foodbrasil.net

História do bolo melado

by: alunos do 7º ano Amarelo

Símbolo de fartura e prosperidade, o bolo é de origem europeia. Componente principal das festas, como as de aniversário e casamento, por vezes é ornamentado artisticamente e ocupa o lugar central da mesa.
Também são feitos para serem comidos em lanche ou no café-da-manhã. É à base de farinha, geralmente doce e cozido no forno.

 Visite o site “O gastrônomo” e confira os eventos: “festival de pizzas”, “massas”, “risotos”, “oriental” e “mexicano”.
“O gastrônomo” também oferece cursos de “pizzas”, “massas” e “risotos”. Além disso, “O gastrônomo” personalité; com o petit comité, que consiste em eventos para pequenos grupos, como “almoços” e “jantares” sociais ou de negócios, confira tudo isso com o Chef Moisés Costa.  Apoio: foodbrasil.net

Origem do pão de queijo com batata

by: alunos do 7º ano Amarelo

Produzido pelos alunos do 7º ano Amarelo da E.E. “Dr. Luiz Pinto de Almeida”, típico de regiões do Brasil como Goiás e Minas Gerais, o pão de queijo é certamente uma das receitas mais populares da culinária brasileira desde a década de 1950.
A sua origem é incerta, no entanto, especula-se que a receita exista desde o século XVIII.

E a batata? Pois é, esta foi introduzida na preparação do pão de queijo e o resultado foi maravilhoso, como é possível ter uma ideia observando os pães de queijo preparados pelos alunos da professora Sheila Vasconcellos,  imagem acima. Viva às batatas! SAIBA MAIS.

 Visite o site “O gastrônomo” e confira os eventos: “festival de pizzas”, “massas”, “risotos”, “oriental” e “mexicano”.
“O gastrônomo” também oferece cursos de “pizzas”, “massas” e “risotos”. Além disso, “O gastrônomo” personalité; com o petit comité, que consiste em eventos para pequenos grupos, como “almoços” e “jantares” sociais ou de negócios, confira tudo isso com o Chef Moisés Costa.  Apoio: foodbrasil.net

História do bolinho de chuva

by: alunos do 7º ano Amarelo

Bolinho de chuva tem gosto de infância. Quem nunca se deliciou com esta gostosura? Há quem guarde num baú velho as antigas receitas, passadas de geração a geração. Pode ter uma certeza: a receita do bolinho de chuva da vovó está lá.
Trata-se de uma especialidade típica vinda de Portugal para o Brasil. É feita de farinha de Trigo, Ovo, Leite e Fermento químico ou Bicarbonato de sódio (e algumas vezes frutas picadas). Os bolinhos são fritos em óleo quente e polvilhados com Canela e Açúcar. Estes foram produzidos pelos alunos do7º ano Amarelo da E.E.”Dr. Luiz Pinto de Almeida”.

 Visite o site “O gastrônomo” e confira os eventos: “festival de pizzas”, “massas”, “risotos”, “oriental” e “mexicano”.
“O gastrônomo” também oferece cursos de “pizzas”, “massas” e “risotos”. Além disso, “O gastrônomo” personalité; com o petit comité, que consiste em eventos para pequenos grupos, como “almoços” e “jantares” sociais ou de negócios, confira tudo isso com o Chef Moisés Costa.  Apoio: foodbrasil.net

Origem do tomate

O tomate, um fruto pertencente à América, cultivado pelos Astecas, Maias e Incas, entre outros povos, e só foi para a Europa após a descoberta do novo mundo, os espanhois o levaram como uma novidade, porém houve algumas desconfianças iniciais, “pois o tomate poderia ser venenoso”.

No século XVII o fruto de nome tomate já era conhecido em toda Europa, sendo cultivado, a princípio como planta ornamental. Com a efetiva colonização do Novo Mundo, os europeus desenvolveram o cultivo do tomate reconhecido como alimento estimulante e rico em potássio. Por volta do inicio do século XVIII atingiu o sul da Itália, datando o inicio da fabricação da pizza com o molho de tomate.

 Visite o site “O gastrônomo” e confira os eventos: “festival de pizzas”, “massas”, “risotos”, “oriental” e “mexicano”.
“O gastrônomo” também oferece cursos de “pizzas”, “massas” e “risotos”. Além disso, “O gastrônomo” personalité; com o petit comité, que consiste em eventos para pequenos grupos, como “almoços” e “jantares” sociais ou de negócios, confira tudo isso com o Chef Moisés Costa.  Apoio: foodbrasil.net

História do queijo

Existem várias teorias sobre a origem do queijo. Uma delas vem da Arábia e conta que há mais de 2000 a.C, uma caravana de mercadores atravessou o deserto levando leite, em vez de água, para matar a sede. Então os mercadores armazenaram o leite em bolsas feitas de estômago de ovelha, esse leite coagulou sob o calor forte do deserto, adquirindo nova propriedade e sabor, os mercadores tiveram de consumi-lo em fatias.

Atualmente, o queijo faz parte da cultura de muitos povos e sua fabricação difundiu-se pelo mundo inteiro. No Brasil, a fabricação do queijo, de forma rudimentar, data de 1550. Os precursores foram imigrantes dinamarqueses (que introduziram queijos tipo prato, gorgonzola, roquefort) e italianos (responsáveis pelo provolone e mussarela).

Enquete:

O queijo teve a sua origem na Arábia Saudita graças à ação dos beduínos, por volta de 2000 a.C. Já sob o regime do Islamismo, durante a Expansão (VIII), outros alimentos foram difundidos pelos beduínos, como o café. Não somente a alimentação sofreu a influência dos muçulmanos, mas também a linguagem, a religião e medicina. Responda:

[polldaddy poll=4393114]

 Visite o site “O gastrônomo” e confira os eventos: “festival de pizzas”, “massas”, “risotos”, “oriental” e “mexicano”.
“O gastrônomo” também oferece cursos de “pizzas”, “massas” e “risotos”. Além disso, “O gastrônomo” personalité; com o petit comité, que consiste em eventos para pequenos grupos, como “almoços” e “jantares” sociais ou de negócios, confira tudo isso com o Chef Moisés Costa.  Apoio: foodbrasil.net

História do pão

A história do pão confunde-se com a própria história da Humanidade.
Assim como as primeiras civilizações surgiram no chamado Crescente Fértil, o pão teve o seu surgimento e desenvolvimento nessa região conhecida como o “berço da humanidade”.
Foram os persas que desenvolveram os primeiros pães há 12 mil anos atrás. Eram feitos de farinha, água e sal. Por não haver ainda o processo de fermentação, os pães eram bem secos e duros.
Após a técnica de fermentação ter sido criada pelos egípcios, o pão tornou-se mais macio e saboroso!

Este pão português foi feito pelos alunos do “Fundo Social de Solidariedade de Barueri” com a instrução do prof. Moisés Costa.

Enquete:
Durante a Idade Média, a qualidade do pão estava ligada à condição social dos sujeitos: clero e nobreza comiam pães de massa mais clara e macia; já os servos comiam pães de massa mais escura e dura. Para melhorar o consumo dos pães duros, os servos faziam sopas de verduras e legumes para molhá-los e assim consumi-los. As sopas não eram consumidas pelas classes sociais mais abastadas, que preferiam o consumo de carnes; os servos eram proibidos de caçar animais para consumo. Baseado nestas informações, responda: [polldaddy poll=4392880]

Assista ao vídeo de apresentação do projeto social, para ver, clique em

Leia mais

Origem do fermento

Em 2500 a.C. os egípcios já utilizavam métodos para fazer o pão crescer. As massas velhas, azedas, eram adicionadas as novas tornando o pão mais saboroso e leve. Este método ficou conhecido como método da massa azeda. Durante muitos séculos não sabiam explicar as causas da fermentação.
O organismo vivo que fazia a massa crescer era a levedura, e por ser muito pequena expressa em milionésimos de milímetros, não era visível a olho nu. Em 1674, Van Leewennhoek desenvolveu seu próprio microscópio e observou que glóbulos minúsculos fermentavam em uma solução de açúcar.
Em 1850, o grande pesquisador Louis Pasteur descobriu que os minúsculos glóbulos eram plantas unicelulares (células do fermento), ele observou que estas células utilizavam substâncias para o meio (CO2).
Então o fermento para panificação consiste em fungos unicelulares que pertencem ao grupo saccharomices cerevisae. Responda nossa enquete:
[polldaddy poll=4378610]

 Visite o site “O gastrônomo” e confira os eventos: “festival de pizzas”, “massas”, “risotos”, “oriental” e “mexicano”.
“O gastrônomo” também oferece cursos de “pizzas”, “massas” e “risotos”. Além disso, “O gastrônomo” personalité; com o petit comité, que consiste em eventos para pequenos grupos, como “almoços” e “jantares” sociais ou de negócios, confira tudo isso com o Chef Moisés Costa.  Apoio: foodbrasil.net

Origem do chocolate

Os Maias, que viviam na América Central, plantavam o cacau desde o século 5, e partir dele, desenvolveram uma bebida amarga chamada xoco’alt. Quando os Astecas dominaram os Maias, incorporaram o cultivo do cacau e a preparação do xoco’alt. No século 16, os espanhois ao dominarem os astecas, passaram a apreciar a bebida, sistematizaram o cultivo do cacau e passaram a exportar o produto para a Europa, que virou febre entre as classes mais ricas. O chocolate ao leite, como conhecemos hoje, foi desenvolvido por um médico escocês chamado Hans Sloane durante suas pesquisas científicas na América Central, por acreditar nas propriedades fitoterápicas do alimento. A Suíça levou a fama pela qualidade, mas o chocolate é da América.

Enquete:
As Grandes Navegações (XVI) possibilitaram aos europeus o conhecimento e o acesso a alimentos desconhecidos e/ou inacessíveis. Após a colonização do Continente Americano, a culinária europeia foi enriquecida com o milho, tomate, batata e cacau.
[polldaddy poll=4393094]

 Visite o site “O gastrônomo” e confira os eventos: “festival de pizzas”, “massas”, “risotos”, “oriental” e “mexicano”.
“O gastrônomo” também oferece cursos de “pizzas”, “massas” e “risotos”. Além disso, “O gastrônomo” personalité; com o petit comité, que consiste em eventos para pequenos grupos, como “almoços” e “jantares” sociais ou de negócios, confira tudo isso com o Chef Moisés Costa.  Apoio: foodbrasil.net